Oferta!

Bibliomania (devolução)

R$59,00 R$30,68

Se me perguntassem hoje qual seria a coisa que mais intensamente desejo, responderia: em primeiro lugar, UM BELO LIVRO. Belo em seu formato, em sua tipologia, em seu papel… Em segundo lugar, almejaria que esse livro tivesse como assunto o próprio livro. Como dizia Charles Nodier: “Depois do prazer de possuí-los, não há outro mais grato que o de falar deles”. É o que fazem, aqui, Marisa Midori Deaecto e Lincoln Secco, dois jovens eruditos que têm em comum a paixão pelo livro e pela história. Eles falam dos livros como falamos de nossos amigos, de pessoas íntimas, numa escrita semelhante a um concerto de voz a serviço do tema, como só os verdadeiros escritores têm a ousadia de fazer.
Os gestos de escrever e de editar não podem ser concebidos sem um prazer soberano. Bibliomania é uma cooperação harmônica entre alguns atores do mundo editorial (autor, editor e designer) que veem o livro como uma terra de palavras, de acolhimento e de deleite.
Que o leitor, na impossibilidade de saboreá-lo, aspire-o, sinta-o, decifre-o…
[Plinio Martins Filho]

Fora de estoque

Avaliações

Não há avaliações ainda.

Seja o primeiro a avaliar “Bibliomania (devolução)”

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Informação adicional

Peso 0.300 kg
Dimensões 12 × 16 × 2.1 cm
Ano

2016

Edição

1a ed.

Encadernação

grampeado, capa dura

ISBN

978-85-7480-716-4

Páginas

232

Autor(es)

  • Lincoln Secco
    Lincoln Secco nasceu em São Paulo. Em 1987 ingressou na Universidade de São Paulo (USP), onde desde 2003 é professor de História Contemporânea. É autor dos livros Caio Prado Júnior: O Sentido da Revolução e A Revolução dos Cravos. Pela Ateliê Editorial publicou História do PT e A Batalha dos Livros.
  • Marisa Midori Deaecto
    Marisa Midori Deaecto é historiadora, professora de editoração no Curso da ECA-USP. Graduada em História pela USP, fez o mestrado e o doutorado em História Econômica pela mesma instituição.Trabalhou na revista Temporaes de 1993 a 1997. Em 2010, passou a editar a revista marxista Mouro. Ganhou duas vezes o Prêmio Jabuti: em 2011, por Sortes de Villamor, e em 2012, por O Império dos Livros, que também recebeu o Prêmio Sérgio Buarque de Hollanda da Biblioteca Nacional.