Promoção!

Triste Fim de Policarpo Quaresma (ed. antiga)

R$28,60 R$20,02

Quando este romance estreou, em 1915, nossa literatura oscilava entre o conservadorismo do século XIX e as inovações do XX. Nesse contexto, o personagem Policarpo Quaresma encarna o nacionalismo tardio, uma alegoria de Lima Barreto contra o idealismo romântico. O autor satiriza o presidente Floriano Peixoto e a burocracia estatal, que simbolizam o início da República – celebrada como progressista, mas estruturalmente arcaica.

Apresentação: Ivan Teixeira
Notas: Ivan Teixeira e Gustavo Martins
Ilustrações: Paulo Batista

Em estoque

Avaliações

Não há avaliações ainda.

Seja o primeiro a avaliar “Triste Fim de Policarpo Quaresma (ed. antiga)”

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Sumário

Policarpo Quaresma como Caricatura de uma Ideia de Brasil – Ivan Teixeira

Nota Sobre o Texto Triste Fim de Policarpo Quaresma

Notas

Autor(es)

  • Lima Barreto
    Afonso Henriques de Lima Barreto (1881-1922), mais conhecido como Lima Barreto, foi jornalista, escrevendo também para alguns periódicos anarquistas do início do século XX, e um dos mais importantes escritores brasileirosO seu pai foi tipógrafo. Aprendeu a profissão no Imperial Instituto Artístico, que imprimia o periódico A Semana Ilustrada. A sua mãe foi professora e faleceu quando ele tinha apenas 6 anos. O viúvo João Henriques trabalhou muito para sustentar os quatro filhos do casal. João Henriques era monarquista, ligado ao Visconde de Ouro Preto, padrinho do futuro escritor. Talvez as lembranças saudosistas do fim do período imperial no Brasil, bem como as remotas lembranças da Abolição da Escravatura na infância tenham vindo a exercer influência sobre a visão de mundo do autor. Lima Barreto foi o crítico mais agudo da época da República Velha no Brasil, rompendo com o nacionalismo ufanista e expondo as mazelas da República. Em sua obra, de temática social, privilegiou os pobres, os boêmios e os arruinados. Foi severamente criticado por escritores contemporâneos por seu estilo despojado e coloquial, que acabou influenciando os escritores modernistas. Fiel ao modelo do romance realista, resgatando as tradições cômicas, carnavalescas e picarescas da cultura popular, queria que a sua literatura fosse militante. Escrever tinha finalidade de criticar o mundo circundante para despertar alternativas renovadoras dos costumes e de práticas que, na sociedade, privilegiavam pessoas e grupos.

Informação adicional

Peso 0.286 kg
Dimensões 12 x 18 x 0.19 cm
Ano

2010

Edição

1ª edição

Encadernação

brochura, costurado

ISBN

978-85-7480-045-5

Páginas

320