Arte

Exibindo 17–32 de 44 resultados

  • 106

    Escritura e Nomadismo

    R$39,50

    Em Escritura e Nomadismo, Paul Zumthor reflete sobre música, literatura, dança e outras formas de expressão artística. O livro é dividido em duas partes: “Entrevistas”, em que o autor fala sobre a infância, a formação e a profissão de medievalista; e “Ensaios”, que traz elaboradas discussões sobre a poesia, o corpo, a condição de emigrante e a alteridade. Na busca da própria identidade, esse autor-nômade percorre um caminho precário para fixar-se nativo de um território imaginário: a arte.

    Tradução: Jerusa Pires Ferreira e Sônia Queiroz

  • 109

    Estandartes das Tribos de Israel

    R$38,00

    No período colonial, chegaram ao Nordeste brasileiro milhares de judeus fugidos da Santa Inquisição. Esta obra resgata a influência dos chamados cristãos-novos na cultura nordestina, mas não se propõe a ter precisão histórica. A artista plástica Socorro Torquato reinventa os estandartes das tribos de Israel em sua cerâmica; já o poeta Virgílio Maia os apresenta em versos de forte apelo visual. Se antes sugeriam guerra, os estandartes agora acenam gestos de paz, num abraço bíblico-sertanejo.

  • Fala D. João

    R$42,00

    Há no reinado de D. João II dois espaços, um isotópico, de consolidação do poder real sobre todo o território nacional, […], outro anisotrópico, o de expansão, de visão expandida. Não tanto de domínio territorial, mas de expansão do comércio e da cristandade. […] Fala D João é uma obra que emerge de um longo percurso de pesquisa e de criatividade, do afeto à temática e às personagens criadas e recriadas pelo autor. São poemas inspirados em D. João II. Cabral teve o cuidado de no final do livro criar notas de leitura para cada poema. [José da Silva Ribeiro] 

    Ilustração: Helio Cabral

    Ler um trecho em pdf

  • Oferta! 804

    Memórias Biográficas de Pintores Extraordinários

    R$44,10

    William Beckford foi um notável escritor, crítico de arte e político do século XVIII. Este livro, publicado pela primeira vez em 1870, retrata artistas que, muitas vezes, são absolutamente inventados. Divertimento de um diletante das artes, seu texto é uma sátira das tradicionais biografias de artistas. A obra sugere diversas leituras e instiga ainda hoje a curiosidade do público, que tenta identificar os pintores por trás dos pseudônimos – como se eles fossem reais.

    Oferta válida enquanto durar o estoque

    Capa com manchas